Localização da ICMV

Localização da ICMV

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Culto de 07-02-2009



É Tempo de conhecer e agradar a Deus


Hebreus 12:25-28
25 Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles que rejeitaram o que na terra os advertia, muito menos nós, se nos desviarmos daquele que é dos céus;
26 A voz do qual moveu então a terra, mas agora anunciou, dizendo: Ainda uma vez comoverei, não só a terra, senão também o céu.
27 E esta palavra: Ainda uma vez, mostra a mudança das coisas móveis, como coisas feitas, para que as imóveis permaneçam.
28 Por isso, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente, com reverência e piedade;

A ministrante, missionária Edméia Williams, após a leitura, explicou que essa carta foi escrita a um grupo de judeus que tinha se convertido, mas de uma hora para outra começaram a ter saudades do paramento, da pompa, das velas outrora praticada.
Afirmando que mesmo hoje vamos encontrar pessoas que não sabem o que é culto, relatando que fez uma pesquisa entre os irmãos para saber se alguns tinham a noção exata do isso significa. Pode ser que entre nós também estão os que não sabem, afirmou, exortando a Igreja a abrir os olhos. As vezes criamos caricaturas de Deus. Relatou também que outra vez se incomodou em saber se os cristãos sabiam quais eram os dez mandamentos. Qual não foi sua surpresa ao saber que alguns diziam que estava escrito nos evangelhos, em Mateus. Os poucos que souberam eram os remanescentes da Igreja Católica. Alguns deles eram os que fizeram a primeira e a última comunhão de uma única vez. Mas os nascidos no evangelho não tinham a menor noção. O último mandamento, a cobiça, era completamente desconhecido de muitos.
Explicou, então, que Jesus veio para cumprir cada mandamento e não para revogá-los como pensam muitos cristãos que não leem a palavra. Cada mandamento e cada profecia, destacou a ministrante.
No texto lido, encontramos os judeus com saudades, querendo sua pompa sem pentecostes. Adorando sem saber a quem, fazendo mesuras sem conhecer. Em nenhum lugar vai se falar mais do que em Hebreus sobre a supremacia de Jesus Cristo, explicou, lembrando que Efésios trata da Igreja e da vida cristã. Quando não compreendemos o que significa culto, mesmo estando no culto, não cultuamos, destacou. Há aqui uma distinção de reinos. É preciso fazer um contraste entre o que é deste mundo e o que é de Deus. A Bíblia diz que tudo que há no mundo, as concupiscências, a soberba, vêm do mundo. E o que é o mundo? Um sistema produzido por uma inteligência maléfica que é satanás. Quando esse ser disse a Jesus, ao tentá-Lo no monte, que lhe daria todas as coisas do mundo, ele não estava blefando, porque tudo é mesmo dele. Nós somos filhos de Deus, mas habitamos no mundo caído. Quando nos oferecemos e copiamos as coisas desse mundo caído, trazemos para a nossa vida os interesses de satanás.
Quando Paulo diz em Romanos 12:1-2 “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. Ele quer dizer: não andeis de mãos dadas com o mundo. Ele clamava, pelo amor de Deus para não nos misturarmos com as coisas do mundo. Não se adapte, não queira, não deseje. Essa é a mensagem. O autor da carta aos Hebreus fala de outros reinos os quais podemos enumerar: o babilônico. Onde está hoje? Foi soterrada. Acabou. O que representa para a humanidade? Nada, é um nome na história apenas. Onde está o Império Assírio? Apenas uma região ao norte do Iraque. Sua capital tão falava em outros tempos, Nínive, é hoje a atual Mossul. Sombras do passado. Acabou. E o Império Caldeu, citado pelo profeta Habacuque? Era uma poderosa região no sul da Mesopotâmia. Hoje resta apenas a história de todo o imponente império. E o que dizer do Império Egípcio do importantes faraós? O que restou de tanta riqueza, tanto poder e domínio? As pirâmides, Assuam. É um país empobrecidos. O Império Persa, que se sobrepôs ao Caldeu? Arrebentou-se com a força dos aiatolás. E o que restou? História. Grécia, Roma, onde estão seus poderes? Em ruínas. Tudo passou.todos os reinos foram levantados. O que a Bíblia chama de bestas que se levantam são impérios econômicos que se levantam para serem arrebentados assim como seus líderes.
Todos passara, ficaram na história. Mas o autor de Hebreus chama a atenção para as coisas do mundo. Tudo que o mundo oferece é passageiro, porque tudo que não se estabelece sobre a verdade vai ruir. Mas nós recebemos o reino inabalável, então vamos reter, segurar, embeber nossa alma dessa graça, porque vem de graça e vamos servir a esse Rei de modo agradável, porque esse Rei é soberano.
A ministrante explicou que não é de nossa cultura falar de monarquia, mas Deus deixou em Israel que o povo aprendesse sobre o que é ser rei. O reino que está mais próximo de nós é o Reino Unido, da Rainha Elizabeth II. Ela está velhinha e seu filho com 64 anos também não pode assumir o trono, porque ele está ocupado. Todos os reinos nos ensinam que onde um está entronizado, outro não pode se sentar. Ele tem que aguardar a sua morte para sucedê-lo.
Se nenhum rei pode ser entronizado enquanto o trono está ocupado, como nós queremos que outro Rei ocupe nosso coração se nosso ego está entronizado lá.
Temos que trabalhar nessa direção, assegurou a ministrante. Ou mudamos nossa vida, tendo cuidado com o que diz Paulo em Hebreus 12:25 “ Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles que rejeitaram o que na terra os advertia, muito menos nós, se nos desviarmos daquele que é dos céus”, ou poderá pagar com sua vida. Como o profeta pagou.
É necessário que o monarca morra, ou seja deposto para que outro ocupe o seu lugar, assim tem nos ensinado a história dos reinos. Não há outra forma. Dois reis não ocupam o mesmo trono. Se o rei não morre é preciso fazer uma revolução para depor o rei. Os aiatolás fizeram isso, a revolução bolchevique idem. O rei ego não vai morrer. Ele precisa ser deposto. Quem disse isso foi Jesus, afirmou a missionária. “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me”. Marcos 8: 34. Mas isso nós é que podemos fazer. É um ato voluntário, determinado de deposição do ego. Aí sim, podemos chamar o monarca do Universo para reinar em nossa vida. Ele não fará isso, enquanto não houver uma revolução pessoal, assegurou. Muitas pessoas pensam que o Reino de Deus se estabelece mediante aculturamento. Há pessoas que acham que Deus reina em sua vida só porque mudam a maneira de falar, incorporam jargões e expressões cristãs. Conhecem todos os códigos, a linguagem, as fofocas da Igreja. Está aculturado, mas o Reino de Deus não está na vida delas, afirmou a ministrante ilustrando essa tese com a história do aleijado que vivia esmolando do lado de fora do templo Formosa. Pelos costumes de sua época ele estava impedido de entrar no templo porque era defeituoso, portanto, amaldiçoado. Assim, passava todos os dias de sua vida do lado de fora do templo mendigando. Ele não entrava, mas não saía. Conhecia todas as pessoas, todas as fofocas, todos os ritos, todos os cânticos, todos os sermões, de tanto ficar ali.
Ele estava quase dentro. Mas totalmente fora. Assim como muitas pessoas hoje: quase salvas. Vão à igreja, mas vivem se queixando, vivem no pecado. Muitos se sentem os mais infelizes. Acham que tudo é dito na pregação é para eles. Chegam a pensar que o sermão foi preparado porque o pastor sabia da sua história, afirmou a ministrante relatando um episódio que lhe acontecera em uma das igreja na qual fora convidada a pregar.
Ela disse que para ilustrar a palavra inventou uma parábola ali, naquele momento. Falou de um genro que era tido como correto pela sogra, mas ao administrar sua fazenda, deu-lhe prejuízo na venda dos bois e colocou a culpa no vaqueiro, que foi despedido, enquanto ele continuava a viver ali como se nada tivesse acontecido e deixando a culpa recair em um inocente.
Mas, sem que ela soubesse, ali na igreja havia um caso assim. O tal genro estava lá ouvindo a pregação, e se sentido traído pelo pastor a quem contara sua história, sem antes confessar aos verdadeiros protagonistas. Ao final do culto, ele a procurou e perguntou-lhe como ela teve a coragem de contar sua história no púlpito, imaginado que o pastor o tivesse entregado. Ela simplesmente não sabia, inventou ali, naquela hora. mas ele insistia que ela havia acertado até o número dos bois. Como poderia saber? Ela então lhe disse, “não sabia, como não sei mais, inventei”. Mas foi o Espírito Santo quem lhe deu essa história. E assim ela exortou aquele homem a procurar aqueles a quem prejudicou e se corrigir, completou a missionária dizendo que não a convidaram mais para pregar naquela igreja. Ela certamente foi lá apenas para que as coisas fossem acertadas.
Aculturados, sofremos com tudo, vivemos nos queixando. Somos os coitadinhos, carregamos o defunto do passado, em uma memória doente. Mas Deus quer curar. Só não o faz porque não está entronizado. É preciso destronizar o ego, a vontade, os desejos e deixar que o Rei exerça as preferências Dele. Quando Deus reina, não faço o que quero, mas o que Ele quer.
Quando vivemos para fazer a nossa vontade, vamos de tropeção em tropeção. Mas, quando fazemos a vontade de Deus, vamos de glória em glória, afirmou a ministrante lembrando o episódio dos dois ladrões ao lado de Jesus na cruz.
Olhe para a cruz, estimulou. Lá encontramos dois homens, dois pecadores. Os dois estavam perto de Jesus e tiveram a mesma oportunidade. Mas cada um usou a chance que teve a seu modo. No momento da morte, condenados, temos a chance do reino como eles. O primeiro usou a chance a seu modo. Podendo falar com o Rei, assim disse “Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós”, conforme registra Lucas 23: 39. Esse “se” já soa como se fosse a voz de satanás: “se és o filho...”Ele até que não era tão egoísta, ponderou a missionária, porque na hora da morte inda pediu pelos outros “salva-te a ti mesmo e a nós”. Mas ele era apegado ao mundo. Não queria sair daqui. Queria se salvar para continuar no mundo, no erro, no pecado. o mundo lhe satisfazia. Por isso queria o milagre. Assim agem muitas pessoas que vêm atrás de Jesus, para ver se Ele faz alguma coisa por elas. Pagar as contas, resolver seus problemas, depois tchau. Quando se sentem sozinhos procuram Jesus, se têm companhia: “até logo, não preciso mais”. Procuram o reino para resolver seus problemas materiais, afetivos. Mas o outro ladrão aproveitou a oportunidade de forma diferente. Esse se volta para Jesus, condenado à morte, sufocado, porque morte de cruz sufoca e diz: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”. Lucas 23: 42. Ele diz, em outras palavras. “eu quero o teu reino, o teu domínio”. Ele não pediu para ser poupado da morte, mas desejou o reino de Deus. E Jesus lhe disse ”Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”. Portanto, afirmou a missionária, reino a gente escolhe. Mas só quando nos despojamos de nós mesmos. Quando abrimos mão de reger a nossa vida. Quando depomos o nosso ego.
Esse é o momento da história que convencionamos chamar de pós-modernidade. Quando tudo é relativo. Cada um relativiza a palavra e o próprio Deus. Que passa a ser uma entidade, uma energia que está em sintonia com o que cada um espera. O homem hoje se sente tão poderoso que se dá esses direitos. O homem se esquece de que se tem direitos, tem deveres. Se há noite, há dia, se tem feio, tem bonito, afirmou enfatizando que os direitos nós já conhecemos, mas são os deveres que fazem a diferença na nossa vida. Quais são os direitos de Deus sobre sua vida? Perguntou, lembrando que muitas pessoas teimam em fazer o que Deus disse para não fazer. E há quem pense que Deus é apenas um expectador desinteressado.
“Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles que rejeitaram o que na terra os advertia, muito menos nós, se nos desviarmos daquele que é dos céus”. Precisamos saber que Deus tem direitos, afirmou citando Zacarias 6: 15: “E aqueles que estão longe virão, e edificarão no templo do SENHOR, e vós sabereis que o SENHOR dos Exércitos me tem enviado a vós; e isto sucederá assim, se diligentemente ouvirdes a voz do SENHOR vosso Deus”. Então Deus nos diz: “olhe para mim, olhe para o Meu trono”. Ele nunca ficará vazio, diferentemente dos tronos do mundo, onde os homens têm depositado sua confiança, afirmou lembrando o rei Uzias, assim como hoje Barack Obama tem sido a esperança de um povo. Deus, pela boca do autor de Hebreus quer que comecemos a olhar para o Seu trono.
A ministrante citou a passagem de Jesus com a mulher samaritana, lembrando da discussão entre samaritanos e judeus sobre qual seria o lugar correto de adoração e de como aquela mulher com a vida toda errada, quando viu que estava diante de um profeta se preocupou em saber onde adorar. A questão não é onde, mas como, ensinou Jesus àquela mulher. Hoje existem pessoas que ainda procuram uma adoração localizada. Vão à Igreja para adorar. Mas Deus está lá no computador, no namoro, na declaração de Imposto de Renda.
Jesus disse a samaritana “vocês adoram o que não conhecem”. Como se pode adorar sem conhecer. E para conhecer é preciso gastar tempo. Só casamos com alguém porque passamos um tempo de namoro, para conhecer essa pessoa. Só podemos agradar a alguém se conhecermos os seus gostos. Assim, se convidamos alguém à nossa casa para o jantar e não conhecemos seus gostos, corremos o risco de oferecer uma comida da qual ela não goste e assim a desagradamos. Se a conhecêssemos bem isso não ocorreria. Mas se não gastarmos tempo para conhecer, não conhecemos instantaneamente.
Adorar é prestar culto. Culto é serviço. Serviço é diferente de trabalho. Serviço é atuação de servo. Enobrece. Trabalho traz cansaço. Quando nos reunimos no culto temos que prestar reverência a Deus. E reverência vem de dentro. A nossa vida tem que ser reverência onde estivermos. Podemos até estar sentado formalmente na igreja, mas nosso coração pode estar irreverente. Há cristãos que saem da porta da igreja e continuam levando a mesma vida que não agrada a Deus. Vivem na mentira, na prostituição, em rodas de piadas. O coxo da aporta Formosa estava aculturado às coisas de Deus, mas levava uma vida doentia. Foi só quando o nome de Jesus fez diferença em sua vida que ele se levantou e pôde adentrar o templo.
Deus não pode reinar junto com nosso ego. É preciso gastar mais tempo para conhecer a Deus. É impossível gastar tempo com Deus e não conhecê-Lo. E isso não vem de ouvir falar. É uma experiência pessoal e intransferível.
Quando você confia numa pessoa, você confia no caráter dela. Quando você não confia na palavra de Deus, você admite que não confia no caráter Dele. Por isso sem fé é impossível agradar a Deus. A bíblia diz que a solução é buscar o reino de Deus e o resto nos será acrescentado se estivermos debaixo da cobertura do Reino.

Um comentário:

Elizabeth disse...

Sinceramente, faz tempo que não ouço algo tão cortante.O Espirito SAnto usou a sua espada de forma potente nas mão da Missionária Edméia. Um verdadeiro João Batista de saias. Não posso pensar em outra coisa, Em resumo de tudo que disse todos estes dias está o simples: ARREPENDEI-VOS... Trate cada um de olhar para si mesmo e buscar suas fahar e viver, VIVER O VERDADEIRO EVANGELHO.
Dou graças a Deus que nos enviou um "anjo" para nos advertir de nossos pecados e comportamentos mais sutis.
Que esta palavra não cesse em nossos corações e permaneça viva. E se cumpra na íntegra.